Antologia de
Haicais Clássicos

Índice | Ano Novo | Primavera | Verão | Outono | Inverno 

Sobre a Antologia | O que é Haicai 

Originais em japonês Versão com kanji



yuki

Fuyu

Inverno



hatsu-fuyu ya futatsu-go ni hashi torasekeru

Início de inverno —
Minha filha de dois anos
Ensino a usar "hashi"

Gyôdai



toshi kurenu kasa kite waraji hakinagara

O ano chega ao fim —
Capa de chuva nas costas
E sandálias nos pés.

Bashô



sore-zore no hoshi arawaruru samusa kana

Estrelas, surgindo
Aqui e acolá —
Ah, o frio!

Taigi



hito-goe no yahan o suguru samusa kana

No meio da noite,
A voz das pessoas que passam —
Que frio!

Yaha



kumo korosu ato no sabishiki yosamu kana

A solidão
Após matar uma aranha —
Noite fria.

Shiki



atataka ni fuyu no hinata no samusa kana



Aconchegantes,
Os raios do sol de inverno —
Mas que frio!

Onitsura



sara o fumu nezumi no oto no samusa kana



O som de um rato
Andando sobre o prato —
Que frio!

Buson



mikazuki wa soru zo samusa wa saekaeru

A lua crescente
Está arqueada —
Que frio cortante!

Issa



fuyuzare no komura o yukeba inu hoyuru



Desolação de inverno —
Ao passar pela pequena aldeia,
Um cão late.

Shiki



inu o utsu ishi no sate nashi fuyu no tsuki

Nem mesmo uma pedra
Para atirar no cachorro —
Lua de inverno.

Taigi



kangetsu ya mon naki tera no ten takashi

A lua fria —
Sobre o templo sem portão,
O céu tão alto.

Buson



tsure mo naku no ni suterareshi fuyu no tsuki

Sem ter companhia,
E abandonada no campo,
A lua de inverno.

Roseki



yuki yori mo samushi shiraga ni fuyu no tsuki

Mais fria que a neve,
Sobre os meus cabelos brancos,
A lua de inverno.

Jôsô



kogarashi ya hôbare itamu hito no kao

Tormenta hibernal —
O rosto do passante,
Inchado e dolorido.

Bashô



ike no hoshi mata haraharato shigure kana

As estrelas no lago
Aparecem e desaparecem —
Chuva de inverno.

Sora



tabibito to waga na yobaren hatsu shigure

"Viajante",
Poderia ser meu nome —
Primeira chuva de inverno.

Bashô




hatsu-shigure saru mo komino o hoshige nari

Primeira chuva de inverno —
O macaco também quer
Uma capinha de palha.

Bashô



kasa mo naki ware o shigururu ka nanto nanto

Sem guarda-chuva
E sob a chuva de inverno —
Bem, bem!

Bashô



shigururu ya nezumi no wataru koto no ue

Chuva de inverno —
Passando sobre o "koto"
O ruído de um rato.

Buson



hatsu-yuki ya ichi no takara no furu-shibin

Primeira neve —
Este velho penico
É meu maior tesouro.

Issa




uma o sae nagamuru yuki no ashita kana

Manhã de neve.
Até mesmo os cavalos
Ficamos olhando.

Bashô



kimi hi o take yoki mono misen yuki maroge

Acenda o fogo.
Que lhe mostro algo legal —
Uma grande bola de neve.

Bashô



no ni yama ni ugoku mono nashi yuki no asa

Nada se move
No campo ou nas montanhas —
Manhã de neve.

Chiyo-jo



tada oreba oru tote yuki no furi ni keri

Apenas estando aqui,
Estou aqui.
E a neve cai.

Issa



massugu na shôben ana ya kado no yuki



Após urinar,
Um buraco perfeito
Na neve do portão!

Issa



karakasa no hitotsu sugikuku yuki no kure

Na tarde de neve
Passa desaparecendo
Um só guarda-chuva.

Yaha



yado kase to katana nagedasu fubuki kana

"Pouso para a noite!"
E joga sua espada ao chão —
Tormenta de neve

Buson




uma shikaru koe mo kareno no arashi kana

Sobre o campo seco,
A voz que grita ao cavalo
Em meio à tormenta.

Kyokusui



tabi ni yande yume wa kareno o kakemeguru

Doente de viagem,
meus sonhos vagueiam
pelo campo seco.

Bashô



kure madaki hoshi no kagayaku kareno kana

Anoitece mais cedo —
As estrelas brilham
Sobre o campo seco.

Buson



tori ichiwa michizure ni shite kareno kana

Apenas um pássaro
Companheiro do caminho
Pelo campo seco.

Senna



sato no ko no inu hiite yuku kareno kana

Levando o cachorro
O menino da vila
Pelo campo seco.

Shiki



tabibito no mikan kui yuku kareno kana

O viajante
Chupa uma laranja
Pelo campo seco.

Shiki



kôri nigaku enso ga nodo o uruoseri

o gelo é amargo
Para o rato que no esgoto
Aplaca a sua sede.

Bashô



nobotoke no hana no saki kara tsurara kana

O Buda da roça —
Da ponta do nariz
Um filete de gelo.

Issa



fuyugomori kokoro no oku no yoshino yama

Reclusão de inverno —
As montanhas de Yoshino
No fundo do coração.

Buson



oya mo kô mirareshi yama ya fuyugomori

Meu pai também
Viu estas montanhas —
Reclusão de inverno.

Issa



tomoshibi mo ugokade marushi fuyugomori

A chama da vela
Imóvel, arredondada —
Reclusão de inverno.

Yaha



nora-neko no fun shite iru ya fuyu no niwa

Jardim no inverno —
Um gato sem dono,
Defecando.

Shiki



zubunure no daimyô o miru kotatsu kana

Eu e meu aquecedor —
Lá fora o Senhor do Feudo
Passando ensopado.

Issa



onakama ni neko mo za-toru ya toshi-wasure

O gato também
Vem aqui sentar conosco —
Festa de fim de ano.

Issa



umi kurete kamo no koe honoka ni shiroshi

Anoitece no mar —
Os gritos dos patos selvagens,
Vagamente brancos.

Bashô



kiete mo sen ariake tsuki no hama chidori

Logo se esvaecem
Como a lua na alvorada —
Maçaricos da praia.

Chora



kadobata ya neko o jarashite tobu konoha

As folhas caindo
Na roça em frente ao portão
Divertem o gato.

Issa



shizukasa ya ochiba o ariku tori no oto

Quietude —
O barulho do pássaro
Pisando folhas secas.

Ryûshi



hakikeru ga tsui ni wa hakazu ochiba kana

Varrer o chão
E então parar de varrê-lo —
Estas folhas secas.

Taigi



taku hodo wa kaze ga motekuru ochiba kana

Dá para uma fogueira —
O tanto de folhas secas
Trazidas pelo vento.

Ryôkan



hyaku nen no keshiki o niwa no ochiba kana

Cem anos de idade —
A paisagem das folhas
Caídas no jardim.

Bashô



furudera no fuji asamashiki ochiba kana

Tão miseráveis,
As glicínias sem folhas
Do velho templo.

Buson



nishi fukaba higashi ni tamaru ochiba kana

Soprando o vento do oeste,
Ajuntam-se a leste
As folhas caídas.

Buson



hito chirari ko no ha mo chirari horari kana

Algumas pessoas.
Folhas caem também
Aqui e ali.

Issa



daiko-biki daikon de michi o oshiekeri

O plantador de nabos,
Apontando com um nabo,
Ensina o caminho.

Issa



negi shiroku araitatetaru samusa kana

As cebolinhas
Lavadas e tão brancas —
Que frio!

Bashô



25 de dezembro de 2003