Este espaço tem por objetivo divulgar a produção haicaísta em língua portuguesa. Se você é autor, saiba como expor seu trabalho gratuitamente

Haicai encontra a filosofia

Fenomenologia do haicai
Roberto Saraiva Kahlmeyer-Mertens
Gênese, desenvolvimento e ressonâncias da poesia haicai de Luís Antônio Pimentel

Ensaio filosófico baseado nos haicais de Luís Antônio Pimentel. Apresentação de Sonia Regina Longhi Ninomiya. Texto das orelhas de Renato Nunes Bittencourt. Bio-bibliografia. Inclui bibliografia. Nitpress, Niterói, 2010. 120 páginas, 14cm x 21cm. ISBN 978-85-7884-047-1. Contato: kahlmeyermertens@gmail.com.

Trechos: “De uma fenomenologia do haicai devemos desesperar encontrar relação do método filosófico desenvolvido na respeitável escola capitaneada por Edmund Husserl com o aludido gênero poético. Se cabida alguma associação, que seja com Hegel, quando, na Fenomenologia do espírito (1808), especifica seu título no pretendido subtítulo: ‘Ciência da experiência da consciência’. Assim, fenomenologia, para nosso gasto, seria um saber que experiencia: saber de abordagem concreta que descreve o resultado de sua experiência; que, em nosso caso, falaria do haicai em suas diversas semblâncias e possibilidades expressivas (…). Descrever a gênese, desenvolvimento e ressonâncias de um fenômeno é o proposto (…). Mas como chegar a esses objetivos? Como conseguir visão clara destes pontos, salvaguardado das posições ordinárias, fórmulas abstratas e incertas que apenas ad nauseam se tornaram comuns a respeito do haicai? (referências a sua forma diminuta e temática determinada…). Impraticável pensar o haicai sem partir de haicais, inviável abordar uma classe de fenômenos sem tê-los em aparição e verdade. Há de se partir de haicais para o estudo desses momentos constitutivos (gênese-desenvolvimento-ressonâncias). A poesia daqueles conhecidos como os ‘seis sábios do haicai’ ou a dos dez outros mestres que a esses se seguiram seria, certamente, bom ponto de partida para nossa aventura, mas, ao invés dessa posição clássica, tomamos deliberadamente a obra de Luis Antônio Pimentel”.