Este espaço tem por objetivo divulgar a produção haicaísta em língua portuguesa. Se você é autor, saiba como expor seu trabalho gratuitamente

Portugal celebra o mar em haicais


De frente para o mar
David Rodrigues (org.)
Dez poetas portugueses reunidos em homenagem aos 150 anos do Tratado de Amizade Portugal-Japão.

Antologia (120 haicais, 10 autores). Prefácio de David Rodrigues. Inclui bio-bibliografias. Terra Ocre Edições, Coimbra (Portugal), 2010. 152 páginas, 14,5cm x 21cm. ISBN 978-972-8999-95-7. Contato: www.palimage.pt.

Do Prefácio: “A poesia haiku com a sua postura não didáctica, centrada no momento e no presente, frugal na expressão e ligada à Natureza constitui uma afirmação de valores que vão contra-corrente dos valores hodiernos da comunicação pessoal e social e da vida quotidiana das sociedades industrializadas. Assim, escrever haiku não é linearmente equivalente a escrever qualquer outro tipo de poesia: pressupõe – como dizia um dos seus maiores cultores, Matsuo Bashô – a procura de um caminho de valores, uma via de transformação pessoal que aproxima o caminhante de uma visão do mundo da qual emerge a atitude e a escrita haiku. Um caminho pessoal de despojamento e de procura do essencial. […] Dez poetas portugueses contemporâneos aceitaram contribuir para este livro que é, de certa forma, uma celebração da ponte que ligou Portugal e o Japão no século XVI: o Mar. ‘De Frente para o Mar’ (e com a Europa nas costas) foi certamente a postura de sonho, de partida e de viagem que levou os navegadores portugueses a globalizar a geografia e as relações entre civilizações e pessoas. De frente, na fronteira do Mar. Hoje são muito diferentes as viagens e os seus meios; mas o sonho do outro e da distância permanece incólume como tão claramente se descortina nos haiku escritos neste livro”.

Amostras:

Há um navio
afundado
com todo o passado à proa.
(Albano Martins)
Lágrimas salgadas–
o mar permanece nos olhos
desde o princípio
(Casimiro de Brito)
vagueio pela praia–
as ondas perdem e ganham
reflexos de Sol.
(David Rodrigues)
crescem flores bravas
no penhasco de ninguém–
só a voz do mar
(Leonilda Alfarrobinha)