Este espaço tem por objetivo divulgar a produção haicaísta em língua portuguesa. Se você é autor, saiba como expor seu trabalho gratuitamente

Haicais valorizam álbum fotográfico de Santos


Santos – Natureza e Arquitetura em Fotopoemas
Regina Alonso
Haicais especialmente compostos para acompanhar fotos antigas e modernas de Santos, uma das principais cidades portuárias brasileiras.

Haicais e fotografias (64 haicais). Fotos de Sergio Furtado, Tadeu Nascimento e outros. Introdução da autora. Contém o texto “O ato fotográfico e a arte de compor haicais”, de Gustavo Morita. Contém bio-bibliografias. Ed. Vice Rei, São Paulo, 2011. 80 páginas, 28cm x 21cm. ISBN 978-85-64446-02-1. Contato: orgone1@terra.com.br.

Da Introdução: “Nasci em Santos. Numa ilha. Rodeada de água por todos os lados, minhas raízes aquáticas navegam por estes mares. Descobrem praias, jardins, a mesma lua de Bashô entrecortando-se nas ondas ou iluminando os casarios do Centro Histórico da cidade. Nos caminhos de Santos, viajo. Descubro nas transformações do mar sereno em águas agitadas, na floração e desfloração dos lírios amarelos, a transitoriedade da natureza, o fluir da vida, como nos ensinou o Mestre H. Masuda Goga. Torno-me reflexiva. Em mim, as palavras de Teruko Oda – O haicai é poesia predominantemente sugestiva, de efeito sensorial, possibilitando ao leitor a oportunidade de completá -la com suas próprias evocações. […] Nos caminhos de Santos, nestas praias e além do mar… Nestas pedras desgastadas do velho Centro com seus casarões, suas igrejas e o bonde levando-nos ao encontro da história – o desentranhar da poesia em três versos. Entre o que é dito concretamente e o que poderia ser dito, o vazio ou o silêncio voluntário, o haicai fala, Paulo Franchetti afirma. Nessa arte delicada e fugidia, a presentificação de um instante ecoando nas cordas da sensibilidade e da memória”.

Amostras:

Parece mistério…
Ao vislumbre da tarde
silhuetas no mar.

Ontem como hoje
no átrio, o mesmo sombral–
Arcos do Valongo.

Alarido no ar!
A passarada outonal
faz a travessia…

Profundo silêncio–
Sobre a árvore sem folha
o pássaro espreita.