Caqui: revista brasileira de haicai

CAQUI · Empório · Teia · Graffiti · Notícias · Fórum · Correio · Busca

Encontro Brasileiro de Haicai

O que é o
Encontro
Brasileiro
de Haicai
XXV Encontro
XXIV Encontro
XXIII Encontro
XXII Encontro
XXI Encontro
XX Encontro
XIX Encontro
XVIII Encontro
XVII Encontro
XVI Encontro
XV Encontro
XIV Encontro
XIII Encontro
XII Encontro
XI Encontro
X Encontro
IX Encontro
VIII Encontro
VII Encontro
VI Encontro
V Encontro
IV Encontro
III Encontro
II Encontro
I Encontro


14o Encontro Brasileiro de Haicai

Trilhas do Haicai no Brasil

14o Encontro Brasileiro de Haicai

1a Mostra Internacional Imagens do Haicai

9 e 10 de novembro de 2002 - Unicamp - Campinas - Brasil

Arte: Pipa (Estúdio Ponto Design)

Realizou-se com exito o 14o Encontro Brasileiro de Haicai, durante os dias 9 e 10 de novembro de 2002 na Casa do Lago, espaço cultural da Universidade de Campinas. Aberto ao público e contando com representantes de vários estados do Brasil, além do afluxo de caravanas de estudantes, o evento consistiu de dois dias de atividades e reflexões sobre o haicai, minúscula forma poética que vem atraindo cada vez mais a atenção dos brasileiros.

Foram dias inesquecíveis onde o público pôde passear por uma exposição de haicais, aprender com as palestras, acompanhar a diversidade de idéias expostas nas mesas-redondas, comprar livros e participar do grande concurso final. Foi também o momento de encher os olhos com o pioneirismo brasileiro da primeira mostra mundial de vídeos sobre haicai. Tudo isso em meio a uma original feira de cultura japonesa, tendo por pano de fundo a bucólica paisagem da Casa do Lago, privilegiado espaço arquitetônico encravado no campus de uma das mais prestigiosas universidades brasileiras.

Veja a galeria de fotos.


Sábado, 9 de novembro

A programação do Encontro começou na manhã de sábado, no auditório da Casa do Lago, com a saudação de abertura pelo professor Paulo Franchetti, livre-docente da Unicamp e diretor-executivo da Editora da Unicamp, que logo cedeu a palavra ao haicaísta Edson Kenji Iura, que proferiu palestra sobre os 15 anos de fundação do Grêmio Haicai Ipê. Na seqüência, a poeta e haicaísta Alice Ruiz magnetizou a platéia com seu lendário carisma ao falar um pouco de si mesma e de seu haicai na palestra intitulada "Brasileira e haicaísta".

O momento do almoço serviu para confraternizar os participantes em torno de uma praça de alimentação montada no lado exterior da Casa do Lago, onde destacavam-se pratos populares da cozinha japonesa, como o sushi e o yakissoba, mas sem desagradar paladares menos acostumados à culinária exótica, fornecendo também sanduíches, refrigerantes, sorvetes e outros petiscos. Um pouco recuada, preparava-se a oficina de cerâmica tradicional japonesa "raku", por professores e alunos do Instituto de Artes da Unicamp, a ser conduzida durante todo o resto da tarde.

Durante a tarde, a mesa-redonda "O que é haicai" monopolizou as atenções do público no auditório, tendo Paulo Franchetti como mediador e juntando em uma mesma mesa o mestre de haiku em japonês Yoichiro Kimura e os haicaístas Celso Pestana e Alice Ruiz, cada um com sua concepção de haicai, dentro da proposta temática do Encontro, "Trilhas do Haicai no Brasil", que é a de mapear os diversos caminhos percorridos pelo poema de três versos. Ao fim da mesa-redonda, iniciou-se uma audição de koto (harpa japonesa) e shakuhachi (flauta japonesa).

Seguindo-se a esta atividade, iniciou-se o bate-papo sobre haicai e internet, reunindo os webmakers Carlos Seabra (Caixa de haikai), Rodrigo Siqueira (Projeto Poesia) e Edson Kenji Iura (Caqui) e mediado pelo videomaker Guto Carvalho, discutindo os destinos do haicai pela rede, a interatividade e a fusão das mídias. Do lado de fora, a haicaísta Teruko Oda conduzia uma oficina informal, passando a um grupo de interessados, todos sentados em círculo no chão, o be-a-bá do haicai.

A programação do sábado terminou no fim da tarde com uma cerimônia de chá (estilo sen-cha), um ritual de grande paz e introspecção do qual participaram representantes da Unicamp, membros da comissão organizadora e o público em geral.


Pioneirismo brasileiro

Simultameamente ao Encontro Brasileiro de Haicai, realizou-se um evento único no mundo, que é a 1a Mostra Internacional Imagens do Haicai, com curadoria de Guto Carvalho. Evidenciando o pioneirismo brasileiro, cineastas do Brasil, Europa e EUA enviaram sem hesitação seus trabalhos para serem exibidos na sala de projeção da Casa do Lago, genericamente classificados como "video-haiku", que não são simples transcrições de haicais escritos, mas representantes de uma nova forma artística, transposição semiótica das características tradicionais do haicai japonês para o cinema e para o vídeo, uma "intensificação do processo de montagem", na feliz alusão de Paulo Franchetti ao famoso ensaio de Sergei Einsenstein.

O principal representante do "video-haiku" no Brasil, o mineiro Almir Almas, esteve presente ministrando uma oficina de vídeo aos interessados, que produziram vídeo-haikus exibidos no fim do domingo. Completando a Mostra, também foram exibidos o curta-metragem "Goga Masuda, discípulo de Bashô", de Guto Carvalho e Carol Ribeiro, e dois programas produzidos pela TV japonesa sobre a cultura de haicai no Brasil. Uma atração à parte foram os quiosques multimídia, computadores contendo haicais animados em "flash" de Antonio Cristino (Rio de Janeiro) e o programa para composição de "poesia infinita" (renga digital) de Rodrigo Siqueira (São Paulo), todos abertos à interação com o público.


Domingo, 10 de novembro

O domingo caracterizou-se pela chegada de caravanas de estudantes dos estados do Paraná e de São Paulo para participarem do Grande Desafio da tarde e da cerimônia de premiação do 1o Concurso Brasileiro de Haicai Infanto-Juvenil, a serem realizados simultaneamente.

A programação da manhã iniciou-se com a palestra sobre zen e poesia do bispo Koichi Miyoshi, superior da escola Soto-Zen para a América do Sul, cujas palavras cheias de inspiração prepararam o estado de espírito dos participantes para o resto do dia. Seguiu-se a mesa-redonda "O haicai no Brasil", mediada por Edson Kenji Iura e reunindo os haicaístas Douglas "Guin Ga" Eden, Zemaria Pinto e Teruko Oda. Os dois primeiros traçaram um quadro da situação e perspectivas do haicai em seus estados (Rio de Janeiro e Amazonas), enquanto coube a Teruko Oda falar sobre o futuro do haicai, ou melhor dizendo, sobre o ensino do haicai para crianças das escolas fundamentais.

Do lado de fora, no saguão de exposições, uma oficina de origami (dobraduras de papel) e uma demonstração de shodô (caligrafia japonesa) monopolizavam as atenções. Neste mesmo saguão, desde o dia anterior, uma exposição de haicais em painéis, pôsters sobre poetas de haicai japoneses e brasileiros e livros e objetos ligados ao haicai vinha recebendo a atenção dos visitantes.

A tarde de domingo ficou reservada para o clímax do Encontro, com a realização do concurso de haicai, este ano batizado de Grande Desafio. Em 20 minutos, os presentes deveriam compor um haicai sobre o tema pré-estipulado, que neste ano deveria ser "lírio-branco" ou "abelha". Iniciada a contagem regressiva, o mais completo silêncio instalou-se no auditório da Casa do Lago, durante o qual os participantes esforçavam-se em escrever seus poemas. Findo o tempo, recolheram-se os haicais e começou o julgamento pela banca de jurados.

Antes do anúncio dos ganhadores, procedeu-se à premiação do 1o Concurso Brasileiro de Haicai Infanto-Juvenil, uma iniciativa do Grêmio Haicai Ipê envolvendo 52 escolas fundamentais de quatro estados e mais de 1000 alunos inscritos. O tema do concurso foi "a fauna ou a flora de sua região". O concurso durou de agosto a outubro de 2002. Foram premiados 10 colocados e mais 10 menções honrosas, com premiados entre 7 e 14 anos de idade. Foram também distribuídos prêmios de incentivo aos professores.

Por fim, teve lugar a premiação do Grande Desafio, com sete colocados e mais três classificações "hors concours". A novidade deste ano foi a integração das categorias infantil e adulta, para provar a tese de que as crianças são capazes de fazer haicais tão bons quanto os adultos. Com efeito, quatro dos premiados foram crianças. Uma vibração enorme percorria o auditório a cada anúncio, até a premiação do primeiro lugar, um adulto.

E assim, em clima de festa, terminou o 14o Encontro Brasileiro de Haicai, sob os acordes harmoniosos do coral e orquestra da professora Mistuca Miyashita numa apoteótica cerimônia final.

O 14o Encontro Brasileiro de Haicai foi uma realização do Centro de Produções do Instituto de Artes da Unicamp, do Grêmio Haicai Ipê e do Estúdio Guapuruvu.




Os vencedores do Grande Desafio (7 classificados)


1o lugar
Sérgio Francisco Pichorim, adulto

Flores no jardim.
Uma abelha pousa aqui
e depois se vai.


2o lugar
Eunice K. Okuma Cavenaghi, adulta

No auge da tarde,
Estão rompendo o silêncio
Zumbidos de abelha.


3o lugar
Analice Feitoza de Lima, adulta

Imenso jardim,
e sobre flores diversas
enxame de abelhas...


4o lugar
Alisson Fernando Dionísio, 14 anos

Casa abandonada.
O piá de olho na colméia
Abelhas guardiãs


5o lugar
Alessandra Bassani, 13 anos

Mamãe no jardim
colhe lírios-brancos
e leva pra sala.


6o lugar
Marilize Aparecida Pianavaro, 13 anos

No jardim
belos lírios-brancos
Alegria de mamãe


7o lugar
Daniela Rissi Campos, 13 anos

no alto da árvore
se ouve zum-zum
é a abelha a voar




"Hors Concours" (3 classificados em ordem alfabética)


Carol Ribeiro

Criador de abelhas
O velhinho japonês
Tem sorriso doce


Celso Pestana

Um lírio branco --
A primeira comunhão
De um menino tímido.


Teruko Oda

Muro de parquinho --
Pequena abelha descansa
sobre a flor pintada.



Júri do Grande Desafio

  • Celso Pestana

  • Clóvis Moreira Santos

  • Douglas Eden Brotto

  • Edson Kenji Iura

  • Hazel de S.Francisco

  • Paulo Franchetti

Júri da categoria hors-concours

  • Dorotea Iantas Miskalo

  • Lúcia Helena Nascimento

  • Neide Rocha Portugal


Primeira
página

Retornar ao Caqui

Enviar esta página
para um amigo

Início da
página

Retornar ao início da página